Vamos definir a nossa parte

Por qual índice de aumento real os metalúrgicos vão brigar este ano? Este é um dos pontos em debate da assembléia de hoje à noite na Sede do Sindicato.

Levantamento da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM) mostra que a categoria acertou em cheio quando decidiu antecipar a data base para o mês de setembro.

“Todos os indicadores mostram que esse é o melhor momento econômico dos últimos anos para uma campanha”, salienta Valter Sanches, diretor do Sindicato e da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM). 

Contrato Nacional
Um número que mostra essa recuperação se refere ao emprego. Nos 18 meses do atual governo, 102 mil postos de trabalho com carteira assinada foram abertos nos vários ramos metalúrgicos, segundo a subseção Dieese da CNM.

“É pouco se compararmos com os quase 600 mil empregos perdidos no setor durante a era FHC”, frisa ele, chamando a atenção para os recentes números de produção no setor automotivo. 

“Essa expansão acontece em todo o País. Por isso é o momento também do Contrato Nacional, o primeiro passo para diminuir as diferenças salariais e de condições de trabalho entre metalúrgicos de São Paulo e de outras regiões do Brasil”, finalizou.