Judiciário retorna ao trabalho. 2022 é o ano decisivo para o povo brasileiro

Nesta última terça feira, 1º de fevereiro, o Poder Judiciário retornou ao trabalho após o recesso de final e início de ano.

Foto: Divulgação

No STF (Supremo Tribunal Federal), seu presidente, ministro Luiz Fux, abriu o Ano Judiciário 2022, destacando, entre outras coisas, tratar-se de ano eleitoral.

Apesar da retórica de solidez das instituições, do regime democrático e da estabilidade institucional, a Corte Suprema tem sido alvo frequente de ataques de Bolsonaro e seus seguidores mais fanáticos.

Nitidamente, a intenção de Bolsonaro é testar os limites do regime democrático e, se não estivesse tão desgastado (tamanha a quantidade de bobagens que fez e faz diariamente!), tentaria uma quartelada ou algo assim, bem ao estilo de repúblicas de bananas (a maneira que ele vê o Brasil).

Hoje, porém, salvo estes fascitóides, ninguém mais deposita um milímetro de credibilidade nas coisas que ele faz ou fala.

Isto não significa, todavia, que a coisa esteja resolvida. Vão fazer de tudo para se manterem no poder. Enfrentaremos um festival de fake news, boatos, e toda sorte de artifícios para enganar o povo e “vencer” mais uma eleição. 

Mas, 2022 será bem diferente da enganação de 2018. Neste ano, teremos Lula na disputa e, a seu lado, a esperança da grande maioria do povo brasileiro.

O Presidente do STF falou ontem em “o império da lei, a higidez do texto constitucional brasileiro e a liberdade de imprensa reclamam estar acima de qualquer que seja o resultado das eleições”.

Precisaremos estar atentos e preparados para ir às ruas defender a democracia, a Constituição e as leis deste país.

Esperamos que o Judiciário esteja à altura do momento que atravessa o país.

A conferir.

Comente este artigo. Envie um e-mail para [email protected]

Departamento Jurídico